Semana de Meio Ambiente

               Os recursos da terra estão a ser depredados também por causa de formas imediatistas de entender a economia e a actividade comercial e produtiva. A perda de florestas e bosques implica simultaneamente a perda de espécies que poderiam constituir, no futuro, recursos extremamente importantes não só para a alimentação mas também para a cura de doenças e vários serviços. As diferentes espécies contêm genes que podem ser recursos-chave para resolver, no futuro, alguma necessidade humana ou regular algum problema ambiental.

                 Entretanto não basta pensar nas diferentes espécies apenas como eventuais «recursos» exploráveis, esquecendo que possuem um valor em si mesmas. Anualmente, desaparecem milhares de espécies vegetais e animais, que já não poderemos conhecer, que os nossos filhos não poderão ver, perdidas para sempre. A grande maioria delas extingue-se por razões que têm a ver com alguma actividade humana. Por nossa causa, milhares de espécies já não darão glória a Deus com a sua existência, nem poderão comunicar-nos a sua própria mensagem. Não temos direito de o fazer. Continuar lendo Encíclica Laudato SI

                  De 1 a 5 de junho é a semana do meio ambiente… uma ótima oportunidade para conversamos e desenvolver ações em prol da nossa casa comum, o material acima traz muitas informações sobre os principais problemas ambientais que enfrentamos nos dias atuais.. lembrando que ainda estamos vivendo a campanha da fraternidade desse ano , que nos convida a conhecer e cuidar da nossa casa comum, penso que seria bom realizar alguma atividade em torno dessa semana!

Material para Download: AQUI

 

Anúncios

Curso de Sistematização das experiências em Agroecologia – NEA Cajuí do Norte do Piauí

Entre os dias 22 a 24 de maio ocorreu na cidade de Parnaíba, O curso de Sistematização em Agroecologia da experiência do Núcleo de Estudos em Agroecologia – NEA Cajuí. O curso contou com a participação de agricultores, professores e estudantes do IFPI, UESPI e EFASA e entidades parceiras: Centro Regional de Assessoria e Capacitação /CERAC, Obra Kolping, Articulação do Semiárido/ASA, Rede de Grupos de Agroecologia do Brasil/REGA Brasil, Comissão Pastoral da Terra/CPT, Pastoral da Juventude Rural/PJR e Rede Nordeste dos Núcleos de Agroecologia/RENDA. Com a facilitação da Associação Brasileira de Agroecologia/ABA, o curso ocorreu através metodologias participativas, pautadas nos saberes coletivos, em que no primeiro dia após a chegada dos participantes, foram todos acolhidos por uma mística de apresentação representada por um objeto que falasse da sua história. Para que os participantes se conhecessem mais e se inteirassem sobre o processo de construção do NEA Cajuí, foi proposto pela equipe de facilitação uma Roda de Prosa em que todos contavam um pouco mais de sua trajetória dentro dos espaços de atuação em agroecologia. Desse momento, que durou toda à tarde, foi possível vivenciar e sentir as emoções e vivencias compartilhadas pelos membros da equipe NEA Cajuí. Dessa roda, destacaram-se as ações realizadas pelo grupo a exemplo da experiência dos Finais de semana agroecológicos.

Durante a noite, foi realizada uma oficina de facilitação gráfica. A ideia principal foi elaborar uma síntese visual sobre o assunto por meio de desenhos para que os participantes tenham um maior entendimento através de uma comunicação visual.

Na manhã do segundo dia, visitamos a feira agroecológica que funcionam as terças-feiras no pátio da UESPI – Campus Parnaíba, onde tomamos café da manhã. Nesse momento, possível vivenciar dos sabores e saberes produzido pelas mulheres produtoras agroecológicas, marisque iras e artesãs: Socorro (Comunidade Baixão), Helena (Boa Vista), Aparecida (Valentim) e Luiza (Tatus) dos municípios de Ilha Grande De Santa Isabel e Parnaíba.

Voltando para os trabalhos em grupo, embarcamos na metodologia do Rio do Tempo contando de forma dinâmica a historia do Núcleo. Com a contribuição de cada um dos participantes da oficina foi possível visualizar desde as dificuldades e as vitorias realizadas ou alcançadas até o momento.  Destas, se destacam a organização do I Simpósio de Agroecologia, a construção do processo da primeira atividade dos finais de semanas agroecológicos realizada na casa do Raimundo Rego, Raimundinha e Maria Débora na comunidade de Pé da Ladeira- Esperantina do Piauí. Dentre outras ações que foram de extrema importância para o fortalecimento do NEA Cajuí. A partir das ações apontadas pelos participantes do histórico do NEA foram provocados pelas facilitadoras quais as ações fariam parte do eixo de sistematização, destas foi escolhida a experiência Finais de semanas Agroecológicos, que a partir de então, através da autoria coletiva foi feito o exercício de preencher a matriz de sistematização com as ações e práticas do eixo escolhido.

No ultimo dia o plano de sistematização foi realizado através da metodologia Café com Prosa que consiste em grupos que de forma simples iam tecendo sobre as parcerias, os atores, os materiais e sua organização e as perguntas e reflexões que envolviam a construção da experiência do final de semana agroecológicos.

Ao final a oficina provocou nos indivíduos participantes o quanto é importante à comunicação interna e externamente ao NEA.

Texto e imagem

Natália Amaral – Renda

Gilvan Santana – PJR

Em protesto contra governo, #OcupaBrasília reúne mais de 150 mil pessoas

Pedindo a deposição de Temer e eleições diretas, marcha unificada aglutina militantes de todo o país

Cristiane Sampaio e Rafael Tatemoto

Brasil de Fato | Brasília (DF)

Mais de 150 mil pessoas se concentram no começo da tarde desta quarta (24) no entorno do estádio Mané Garrincha, na capital federal, na preparação para o início do movimento #OcupaBrasília. Os dados são da Polícia Militar.

Com cerca de mil ônibus vindos de diversas partes do país, os manifestantes se unem numa marcha unificada pela deposição de Michel Temer (PMDB) e pela realização de eleições diretas para presidente.

Clique aqui e acompanhe minuto a minuto da mobilização

A ação é organizada pelas centrais sindicais e pelas Frentes Brasil Popular (FBP) e Povo sem Medo. No começo da tarde, os manifestantes iniciaram uma marcha pela Esplanada dos Ministérios rumo ao Congresso Nacional.

“Hoje é um dia decisivo para a classe trabalhadora. Nossos direitos estão ameaçados pelos golpistas e não há o menor respeito à nossa dignidade. Estamos sendo assaltados”, disse Roberto Sousa e Silva, professor da rede pública do Rio Grande do Norte, que veio em caravana para participar do protesto.

A luta popular tem sido impulsionada pelo agravamento da crise que circunda a figura de Michel Temer (PMDB), envolvido em escândalos de corrupção relacionados à empresa JBS, uma das investigadas na operação Lava Jato, da Polícia Federal. Com as denúncias trazidas na semana passada pelos irmãos Batista, proprietários do grupo, os segmentos populares acreditam na derrocada do governo e promovem o “Ocupa Brasília” na expectativa de barrar a tramitação das reformas.

“O governo Temer já acabou, tanto que a própria imprensa golpista jogou ele na lata do lixo, mas agora está tentando dar o golpe dentro do golpe, o que é mais perigoso ainda, porque tende a aprofundar a retirada de direitos da classe trabalhadora. (..) Ele não tem moral nenhum pra aprovar qualquer lei”, considera Alexandre Conceição, dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), uma das entidades que integram a FBP.

Diretas Já

No roteiro da crise política, o “Fora, Temer” não é a única bandeira dos oposicionistas, que se mobilizam para evitar a todo custo uma eventual eleição indireta sequencial à vacância do cargo de presidente, o que poderia ocorrer através de renúncia ou deposição. Com isso, o “Ocupa Brasília” reforça o coro pelas “Diretas já”. Para os movimentos, a saída para a crise política passa essencialmente pela escolha popular.

“Eleições indiretas agora não resolvem o problema da crise, da população, das reformas que esse governo está querendo levar adiante. Esse Congresso que faria a eleição é o mais reacionário da história do Brasil, porque está atrelado aos interesses dos grandes grupos econômicos. Por isso, queremos diretas já”, diz o militante do Levante Popular da Juventude, Caio Picareli, que veio de Porto Alegre para participar do ato.

Além de ter Brasília como ponto central da manifestação, os movimentos realizam atos também em outras partes do país nesta quarta-feira (24), na tentativa de dar mais capilaridade ao movimento pela deposição de Temer e por eleições diretas.

Edição: Camila Rodrigues da Silva

Via  BRASIL DE FATO

Seminário da Frente Camponesa do Levante Popular da Juventude de Pernambuco, foi realizado em Caruaru

Estiveram reunidos de 05 a 07 de maio, no Centro de Formação Paulo Freire, no Assentamento Normandia, em Caruaru/PE, movimentos, instituições e organizações do campo Pernambucano, refletindo sobre a unidade entre o campo e a cidade.
Inicialmente foi realizada uma análise de conjuntura, do momento  atual de nosso país e os desafios da Juventude do campo e da cidade, nos fez discutir o papel da juventude camponesa na construção da unidade e o a Frente Camponesa do Levante Popular da Juventude como o espaço onde a juventude de diversas organizações do campo se encontra e se articula na construção de lutas concretas, apontando o Levante como o movimento agregador da juventude do Projeto Popular.

IMG-20170508-WA0032.jpg

Com os desafios postos, ficou encaminhado a consolidação da Frente Camponesa no Estado de Pernambuco, como prioridade das organizações, instituições e movimentos que atuam com os jovens e com as jovens do campo de Pernambuco.

Postado por Comunicação Nacional da PJR

Rede GPR divulga resultado final concurso

Foi divulgado nesta segunda-feira, dia 30 de novembro, o resultado final do Concurso “Boas Práticas Juvenis de Convivência com o Semiárido”, realizado pela Associação da Juventude Camponesa Nordestina – Terra Livre, no âmbito da parceria com o Programa Semear (FIDA/IICA/AECID).
Cinco experiências foram premiadas e receberam um prêmio de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) para fortalecerem suas ações de convivências com o semiárido e de produção agroecológia. Os grupos premiados são dos estados de Pernambuco, Bahia e Sergipe.
Clique no anexo para visualizar o resultado final do concurso.
Foto: GPR do Município de Porto Folha – Sergipe.

Concurso divulga as 10 experiências pré-selecionadas

        O Grupo Gestor Nacional da Rede GPR Brasil já pré-selecionou as 10 experiências do Concurso Boas Práticas. Agora, cada uma deve enviar até o dia 23 de novembro o Plano de Investimento (anexo B do Edital) Clique aqui para ver:
O resultado final, com a relação das 5 melhores práticas juvenis de convivência com o semiárido será divulgado no dia 30 de novembro.
Foto: ASA.

Lançado o Concurso nacional de Boas Práticas de Convivência com o Semiárido e de Agroecologia para os grupos GPR´s

Na próxima quinta-feira, dia 22 de outubro, começam as inscrições do Concurso de Boas Práticas de Convivência com o Semiárido e de Agroecologia dos Grupos de Resistência e Produção (GPR), que compõem a Rede GPR Brasil. Serão premiadas 5 experiências, cada uma receberá o prêmio de cinco mil reais, para ser investido no fortalecimento da experiência. Os premiados deverão devolver, em até 2 anos, 50% do valor do prêmio que fortalecerá o Fundo Rotativo Solidário da Rede GPR.

A iniciativa é uma ação do projeto “Boas Práticas Juvenis de Convivência com o Semiárido”, executado pela Associação da Juventude Camponesa Nordestina – Terra Livre e apoiado pelo Programa Semear (FIDA/IICA/AECID).

Abaixo podem ser acessados o Edital e seus anexos, qualquer dúvida podem ser esclarecidas através do correio eletrônico gprsemear@gmail.com.

RegulamentoConcurso_final

ANEXO A-Ficha de inscricão

ANEXO B -Plano de Investimento